Garage Fuzz mantém o HC melódico vivo em Fast Relief

Me peguei pensando como o Fast Relief, quarto álbum de estúdio dos santistas do Garage Fuzz (o Instant Moments e o Warm & Cold são EP’s) ainda não tenha passado por aqui.

O GF, pelo menos pra mim, está entre as bandas mais eficientes do rock nacional. Essa eficiência se encontra tanto na musicalidade criativa quando na capacidade constante de se reinventar. Sempre que a gente pensa que a banda está meio sumida, os caras vêm com algo novo e acabam com todas as possíveis suposições.

Quando analisamos os álbuns passados, percebemos uma clara evolução e amadurecimento do grupo como músicos, vibração claramente revertida nas gravações. O Relax in your favorite Chair com seu hardcore adolescente despretensioso à maturidade melodiosa do Morning Walk, separados pelo Turn the Page… The Season is Changing, o ponto alto do Garage, pelo menos na opinião deste que vos escreve.

Depois dessa trinca é difícil pensar que os santistas conseguissem surpreender ainda mais. Os que pensam assim claramente queimam a língua ouvindo o Fast Relief. A pegada segue a mesma base melódica e enérgica já características, mas as 12 faixas formam um álbum único e especial, tanto por mostrarem uma nova direção, quanto por parecer um apanhado de tudo que já foi feito até aqui pelo quinteto.

A troce dos guitarristas “Fernandos” (Fernando Zambelli deixou a banda e foi substituído pelo Fernando Basseto, ex-Cajamanga / Drive V) traz novas influências e mostra claras evoluções nessa nova fase.

O dedilhado de Cortex nos segundos iniciais já deixa claro que algo muito especial está para acontecer. As bases são fortes e grudentas, com guitarras trabalhadas e bem costuradas, deitando em uma cama construída por uma linha de baixo fluída e bateria marcante.

As letras são amplificadas pela já conhecida e cativante melodia vocal do Farofa, e os temas englobam temas pessoais e experiências que orbitam em torno da banda.

Rewind Speech e Pay Your Dues tratam do abandono dos sonhos e ideais por dinheiro, Kids on Sugar (uma das minhas preferidas) fala sobre uso exagerado de cocaína, The Darkside Of, como o nome já sugere, aborda temas como depressão e tristeza causada pelos tempos modernos, bem como On the Wall Corner.

Outra que merece destaque é a faixa título, uma declaração de refrão poderoso, sobre como lidar com planos utópicos tendo consciência de que é preciso seguir esses planos para se sentir vivo. O clip dela já saiu, dá uma olhada aqui.

Se você for um punk adepto exclusivamente ao que foi feito em 77 e com preconceito ao melódico provavelmente vai torcer o nariz pra esse disco. Talvez já até tenha torcido pros trabalhos anteriores do Garage. Só lamento por você.

Lista das Músicas:

1- Cortex (3:55)

2- Kids on Sugar (2:50)

3- Fast Relief (3:07)

4- The Dark Side Of (3:42(

5- Blockhead (3:36)

6- On The Wall Corner (3:35)

7- Rewind Speech (3:05)

8- Pay Your Dues (2:39)

9- Your Not so Real Life (3:28)

10- Earning (2:52)

11- Overtime (3:20)

12- The Final Crop (3:39)

 

Fast Relief é melódico e maduro, ao mesmo tempo em que é simples e adolescente. Ouça alto, e se permita surpreender – mais uma vez.

 

QUER SABER MAIS SOBRE MÚSICA?? Acesse o canal Bode Ninja no Youtube.

Twitter – @rodrigoKNOELLER

Instagram – digo_k

Deixar comentário(s)

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *