Resenhas Shows 

Ghost, Slayer e Iron Maiden aterrorizam com muito Heavy Metal em São Paulo

 

Uma multidão de fãs invade as ruas de São Paulo para assistir o show de uma das bandas mais consolidadas do heavy metal mundial, o Iron Maiden.

 

Assim que os portões se abriram muita gente se apressou para conquistar o melhor lugar para assistir os 3 shows da noite, Ghost, Slayer e Iron Maiden.

 

 

GHOST

 

Após algum tempo de espera o Ghost entra no palco por volta das 18h15, a banda Sueca apresentou um show bastante direto, como sempre com uma performance teatral que representa uma missa satânica, fãs foram ao delírio com o frontman da banda, “Papa Emeritus II” e com diversos sucessos executados durante o show, mas o ponto alto foi quando soaram as primeiras vozes de “Year Zero“, formou-se até um coro na multidão pra cantar o refrão junto com o Papa.

 

O Ghost tocou aproximadamente 50 minutos e deixou o palco quente para a entrada de uma das mais tradicionais bandas da história do heavy metal, o Slayer!

 

 

SLAYER

 

Com um show totalmente direto e sem delongas, os caras mandaram 1 hora de porrada nos ouvidos dos que estavam presente, a única coisa que deixou a desejar, foi algo que não era de responsabilidade da banda, no momento do show do Slayer o som ficou extremamente deficiente, muito baixo, fazendo com que em alguns momentos ouvíssemos gritos de “aumenta, aumenta, aumenta” no meio da multidão.

 

Apesar de tudo o Slayer mandou bala e ainda fez uma homenagem ao ex guitarrista da banda, Jeff Hanneman que morreu em maio deste ano, vitima de cirrose hepática.

 

No telão havia um logo que dizia: ” the angel of death, Jeff Hanneman still living” – “Jeff Hanneman, o anjo da morte continua vivo” e enquanto a banda tocava os sons South of Heaven, Raining Blood e é claro Angel of Death, o telão exibia diversas fotos de Jeff.

 

Foi dessa forma emocionante que o Slayer encerrou sua participação na noite, deixando os fãs ali presentes em êxtase e mais do que preparados para assistir uma das maiores bandas do heavy metal, o IRON MAIDEN.

 

 

IRON MAIDEN

 

Já era quase 21h20 da noite quando acenderam-se as luzes azuis do palco, ao som de “Doctor doctorUFO que foi tocada na íntegra em playback, isso era o anúncio que o show do Maiden havia começado.

 

Ao término desse som, os telões mostravam imagens de um cenário gelado, icebergs, e toda temática da capa do disco “SEVENTH SON OF A SEVENTH SON” juntamente com a introdução da primeira música do show, “MOONCHILD” do mesmo disco, fogos explodem no palco quando a banda entra em cena, levando a multidão ao delírio, Bruce Dickinson (com os cabelos mais compridos do que de costume) aparece cantando, correndo e pulando como nunca, e dessa forma já mostravam que vieram para dar aos fãs de metal que estavam alí um dos maiores shows já feitos em terras Tupiniquins!

 

A segunda música foi “CAN I PLAY WITH MADNESS” também do mesmo disco, os backing vocais de Adrian Smith e Steve Harris estavam impecáveis nesse som, e o coro da multidão também não ficou atrás!

 

Logo em seguida as luzes se apagam e se ouve a introdução da “THE PRISONER” um clássico do disco “THE NUMBER OF THE BEAST” de 1982, este que foi o primeiro disco da banda com Bruce nos vocais.

 

Durante este som, ouvíamos os primeiros e tradicionais “scream for me São Paulo, scream for me Brazil” marca registrada de Bruce para levantar a multidão.

 

Quando a coisa estava começando a esquentar os caras botaram fogo em tudo de uma vez com “2 MINUTES TO MIDNIGHT” do disco POWERSLAVE de 1984, solos impressionantes ecoavam no céu do Anhembi, mas na verdade o que impressionou bastante foi a qualidade musical da banda no palco, os caras tocavam extremamente igual ao cd, com uma sonoridade realmente incrível, além de agitarem a galera, os guitarristas, Dave Murray, Adrian Smith e Janick Gers estavam afinadíssimos nos solos duetados, realmente muito bom!

 

 

Após isso um ponto mais calmo mas nem tanto, momento que Bruce falou um pouco com a multidão, até mencionando que o “rock em São Paulo soa bem melhor”, em uma forma de demonstrar seu carinho pela cidade de São Paulo e pelo público Paulista, logo após veio o som “AFRAID TO SHOOT STRANGERS” do álbum “FEAR OF THE DARK” de 1992, um som que começa mais tranquilo e depois dispara para uma correria até terminar, após isso, temos um dos momentos mais marcantes do show, os caras detonam com os primeiros acordes de “THE TROOPER” do disco PIECE OF MIND de 1983, um dos clássicos da banda, Bruce aparece vestindo uma farda militar Inglesa e empunhando a bandeira da Inglaterra como de costume, som esse que fez a multidão cantar em um coro uníssono a música toda, mas o que impressionou mesmo foi a tradicional e já esperada entrada do mascote da banda “EDDIE” que também estava vestido como um soldado Inglês e com uma espada nas mãos, permaneceu no palco “lutando” com Janick Gers e Dave Murray enquanto a porrada comia solta! Após isso, temos luzes vermelhas no palco e a introdução de “THE NUMBER OF THE BEAST“, a multidão mais uma vez responde cantando tudo, na sequência um clássico do primeiro disco da banda “PHANTOM OF THE OPERA” do disco IRON MAIDEN de 1980, Bruce mandando muito bem nos vocais e agitando a multidão fez com que todos voltassem ao passado, em seguida veio “RUN TO THE HILLS” também do disco THE NUMBER OF THE BEAST, uma das músicas mais difíceis de ser cantada por exigir muito do vocalista, várias melodias que buscam notas nas alturas, e mesmo assim, o Sr. Bruce Dickinson mostrou que mesmo aos 55 aninhos de idade, ainda se mantém como um dos maiores vocalistas de heavy metal da história na ativa, cantou e não só isso pulou, correu, gritou pra multidão o som todo!

 

Temos então “WASTED YEARS” do álbum “SOMEWHERE IN TIME” de 1986, que foi outro som que a multidão cantou o junto com a banda, em seguida outro momento épico, os caras começaram a mandar nada mais nada menos que “SEVENTH SON OF A SEVENTH SON“, música que leva o nome do disco de 1988, a performance nesse som foi teatral, o som foi executado com perfeição trazendo inclusive elementos do disco para o palco, como um organista mascarado como sétimo integrante da banda, e diga-se de passagem que, o palco, produção e pirotecnia do Maiden são um show à parte, logo em seguida nossos ouvidos são presenteados com Steve Harris “malhando” as cordas do baixo na introdução da música “THE CLAIRVOYANT” do mesmo disco, Bruce também interpretou e cantou muito, sempre acompanhado da multidão que cantou o show todo, som a som.

 

O clássico “FEAR OF THE DARK” nome do disco de 1992 levantou a multidão, como sempre, esse som desde que lançado nunca mais saiu dos palcos, e sempre é esperado pelo fãs da banda. Começamos a perceber que a primeira parte do show estava chegando ao fim quando após “FEAR OF THE DARK” soaram as primeiras frases de guitarra de “IRON MAIDEN“, como sempre Janick Gers rodando jogando a sua guitarra para o alto, o Eddie da capa de “SEVENTH SON OF A SEVENTH SON” surge no palco, idêntico ao da capa do disco, fogos e muita interação da banda com a multidão que alí estava, fez o encerramento da primeira parte do show ser algo mágico, realmente um show que valeu a pena cada centavo investido.

 

 

Após aproximadamente 4 minutos, as luzes se acendem, no telão, cenas das batalhas aéreas entre a RAF( ROYAL AIR FORCE ) E A LUFTWAFFE (FORÇA AÉREA ALEMÃ) DE HITTLER, durante a segunda guerra mundial e o famoso discurso de determinação de WINSTON CHURCHILL anuncia a musica “ACES HIGH” também do disco POWERSLAVE, parecia que a banda não tinha voltado para um bis, e sim começado um novo show.

 

Foi ensurdecedor ouvir a multidão cantando “Run, live to fly, fly to live, do or die” o refrão da música em uníssono!

 
THE EVIL THAT MEN DO” foi a próxima música a ser executada pela banda e levou a multidão a loucura, a banda encerrou o show com um clássico do primeiro disco, “RUNNING FREE” que serviu também para Bruce apresentar a banda e agradecer a todos pela presença, coube até um pequeno solo de Nicko McBrain, o baterista da banda, e aos berros que diziam “one more song, one more song” o Maiden deixou o palco, e “Always Look on the Bright Side of life” de Monty Python nos falantes apenas confirmavam que a apresentação havia acabado.

 

 

Assim terminou um dos melhores shows de 2013, o IRON MAIDEN lotou a Arena Anhembi como de costume em seus shows, fez uma apresentação maravilhosa e deixou todos os fãs na esperança de vê-los novamente.

 

 

Set list Ghost

 

1– Infestissumam
2– Per Aspera ad Inferi
3-Con Clavi Con Dio
4– Prime Mover
5-Stand by Him
6– Year Zero
7– Ritual
8– Monstrance Clock

 

 

Set list Slayer

 

1– World Painted Blood
2– Disciple
3– War Ensemble
4– Mandatory Suicide
5– Hallowed Point
6– Hate Worldwide
8– Seasons in the Abyss
9– South of Heaven
10– Raining Blood
11– Angel of Death

 

 

Set list Iron Maiden

 

1– Moonchild
2– Can I Play With Madness
3– The Prisoner
4– 2 Minutes to Midnight
5– Afraid to Shoot Strangers
6– The Trooper
7– The Number of The Beast
8– Phantom of the Opera
9– Run to the Hills
10– Wasted Years
11– Seventh Son of a Seventh Son
12– The Clairvoyant
13– Fear of the Dark
14– Iron Maiden
Bis
15– Aces High
16– The Evil that Men do
17– Running Free

 

 

 

Fotos: Raulzito/G1 e Enomoto/R7

Editor chefe: Will Batera 

Editor: John Rodrigues

Written by 

Matérias Relacionadas