Listas 

Mascotes do Metal: um ranking do pior para o melhor

A revista Kerrang! publica matérias bem interessantes, quase todo dia entro pra ver as notícias diárias, entrevistas, entre outros. Me deparei com essa publicação recente deles e resolvi compartilhar com vocês, com alguns comentários adicionais. Espero que gostem dessa seleção.

“Vamos falar sobre os mascotes das bandas de Metal. Acredito que talvez essa mentalidade de “gangue” que vemos nos fãs e músicos de bandas mais pesadas, que tenha levado as bandas de metal a ficarem tão obcecadas por mascotes. A cultura do heavy metal sempre promoveu uma mentalidade de “nós contra o mundo”, semelhante à da maioria das equipes esportivas; por isso é justo que as bandas desejem criar personagens que representem sua música. Seja qual for o motivo, o metal é mais focado em mascotes do que qualquer outro gênero musical, chegando ao ponto de dar às suas horríveis alegorias visuais histórias de fundo e personalidades.

Dado o grande número de mascotes de metal por aí – e o surgimento de novos com os quais algumas pessoas mais “oldschool” podem não estar familiarizadas – decidimos classificar esses caracteres simbólicos em ordem. Primeiro, no entanto, estabelecemos algumas regras básicas:

Eles precisam ser mascotes de Metal: Milo, o Crimson Ghost e o garoto de Less Than Jake Pez ficam para outra lista.

Eles precisam ser mascotes, não apenas logotipos ou símbolos. O Henry do Black Sabbath e Jesterhead do In Flames são legais, mas são apenas imagens. Esses caras precisam ser personagens reais, com suas próprias atmosferas e papéis na história da banda.

Com essas diretrizes na cabeça, aqui está nosso ranking definitivo dos mascotes de metal.”

22. Filhote de Foca (Riot)

Por alguma razão, mesmo que isso soe como Raven e Exciter, a Riot, uma banda de metal clássica de Nova York, usa um filhote de foca como mascote. Não apenas isso, mas as tentativas de tornar a foca antropomórfica são super estranhas e bizarras – em um minuto ele está agachado como um lutador de sumô, no outro ele está se transformando em um homem de negócios malvado. A foca é mau? As focas gostam de metal? Como isso aconteceu?

21. DeathBat (Avenged Sevenfold)

Esta é a lição de casa que foi feita no ônibus pela manhã. O Deathbat não apenas parece um roubo do Chaly de Overkill, mas sua encarnação inicial se parece com dois dingbats (ornamento, caractere ou espaçador usado na composição, às vezes mais formalmente conhecido como ornamento de impressora ou personagem da impressora) diferentes colocados um em cima do outro. Embora seja certamente icônico e forneça aos fãs do Avenged Sevenfold algo fácil de tatuar, ele realmente não tem uma identidade, além de ser o mais básico dos gráficos de caveira. Legal como um logotipo, mas vale pouco como mascote.

20. Bill Z. Bubb (Dangerous Toys)

O mascote dos metaleiros de sleaze de Austin, Dangerous Toys, anuncia o gênero que tenta se adaptar aos anos 90 – nada satânico ou nojento, mas meio insano. O resultado é o palhaço dentro da caixa que todos os caras entre meados e final dos anos 90 tatuaram na escápula. Bill Z. Bubb foi bastante inofensivo até o álbum The R- tist 4-merly Known As Dangerous Toys, de 1995, que nos mostrou muito mais dele do que qualquer um queria ver. Pule o circo.

19. Jack O (Helloween)

No papel, Jack O de Helloween parece uma coisa certa – um espírito travesso com uma cabeça de Jack O’Lantern. Mas a verdade é que a banda o usou de uma maneira tão bizarra que ele acabou ficando meio ridículo. Mais ainda, para um mascote de banda com cabeça de abóbora nomeado após um feriado assustador, Jack O não é muito assustador, em vez disso, atua como um representante para todos os clichês de power metal existentes. Não é um personagem que precisamos em uma camisa tão cedo.

18. O Ceifador (Children Of Bodom)

Beleza, ele é legal, mas o personagem recorrente de Children Of Bodom saiu meio que de acidente. O ceifeiro de Bodom parece que a banda conseguiu que um amigo se vestisse com uma roupa assustadora para o seu primeiro álbum, e continuou com essa ideia. Ainda assim, há momentos ocasionais em que o ceifeiro é bem reinterpretado, como na capa do álbum Hexed. Aceitável, mas nada de especial.

17. Capitão Morgan (Alestorm)

Quer as empresas de rum saibam ou não, o mascote de Alestorm é o único Capitão Morgan, beberrão e dono de um desajeitado chapéu pirata. O personagem permite que a banda o coloque em todos os tipos de cenários hilariantes, desde viajar no tempo para matar vikings até afundar no fundo do oceano. No entanto, embora esse pirata morto-vivo seja bastante legal, o fato de a banda realmente não lhe dar muita sabedoria o deixa a léguas de distância do topo desta lista. Mas ele é muito divertido, vamos dar isso à eles.

16. Set Abominae (Iced Earth)

A múmia demoníaca Set Abominae, que aparece nas capas dos álbuns da banda americana de power metal Iced Earth, é um mascote de metal bastante sólido – você pode colocá-lo ao longo do tempo, ele tem olhos brilhantes, não deixa nada a desejar. Mas ele é uma cópia descarada de Eddie e, embora seja distinto do pernicioso zumbi do Iron Maiden de várias maneiras, ele sempre será uma sombra de Eddie, em vez de ter sua própria entidade. Dito isto, no que diz respeito aos mascotes de metal da lado B, esse cara é bastante sólido.

15. O Açougueiro Maluco (Destruction)

É isso que diz no rótulo. O açougueiro maluco parece um tipo de mascote estranho para uma banda de thrash alemã, mas o Destruction levou isso bem a sério, a ponto de ter alguém que se veste de açougueiro e entra no palco em seus shows. Dito isto, ao contrário de outros mascotes, é difícil colocar um manuseador de cutelo gordinho e caolho em uma gama elevada de situações, então parece que ele ficou preso no açougue. Nada mal.

14. Máscara de Ferro (Quiet Riot)

Mascotes de metal farofa são um pouco mais difíceis de encontrar, e os que existiam eram freqüentemente apenas um Joe Camels bem hard rock pousando com algumas mulheres. Mas o homem com a máscara de ferro, do Quiet Riot, na verdade tem muito caráter, e parece que ele representa muitos fãs de metal por aí, cujos pensamentos e sentimentos são silenciados ou caem em ouvidos surdos. A máscara acabou se tornando mais importante do que o paciente mental por trás dela, mas suas qualidades de Hannibal Lecter continuam representando o questionamento constante dos metaleiros sobre sua própria sanidade.

13. Knucklehead (Five Finger Death Punch)

E se Eddie fosse bombado e adorasse bebidas energéticas? Parece ser o conceito por trás do personagem Knucklehead do Five Finger Death Punch. Mas, diferentemente de muitas bandas mais contemporâneas, a banda permaneceu admiravelmente leal ao seu representante animado, e com toda a honestidade o personagem se parece muito com os sons da banda, que é realmente o objetivo de um mascote de metal. Como tal, Knucklhead se tornou uma figura importante no panteão dos mascotes, e talvez seja o personagem mais contemporâneo desta lista.

12. Statutory Ape (The Black Dahlia Murder)

Existem várias encarnações do mascote do gorila assassino do The Black Dahlia Murder – Statutory Ape, dependendo de quem está vestindo qual traje em qual show. Mas o que conhecemos melhor é o macaco treinador, bermuda de academia, camiseta sem mangas e a inevitável faixa de cabelo. Essa mistura de predador brutal e bolo de carne dos anos 80 é o que a banda sempre teve no coração, e agrada a cenas que vão do death metal ao pop-punk. Como Richard Simmons, só que mais legal.

11. The Guy (Disturbed)

É preciso muita coragem para pegar um rosto de um “cara louco” do final dos anos 90, rabiscado em um caderno, e transformá-lo em um mascote de franquia. Mas Disturbed foi surpreendentemente bem nessa, usando The Guy em quatro capas de álbuns, de 2005 a 2015. Ainda mais impressionante, eles meio que o usaram no mesmo contexto em todos os álbuns – com um semblante bem sinistro em um ambiente baldio pedregoso – sem fazê-lo parecer repetitivo. Talvez não seja tão versátil como alguns dos outros mascotes aqui, mas definitivamente icônico para o new-metal.

10. Mente Violenta (Kreator)

Alguém sente que o Kreator caiu em seu personagem Violent Mind depois que ele fez sua primeira aparição como um simples demônio bárbaro na capa de Pleasure To Kill, de 1986. Até que em Coma Of Souls dos anos 90, sua identidade completa parecia emergir com a visão de seu cérebro retorcido. No entanto, a banda continuou a usá-lo como uma encarnação grotesca dos males da sociedade e expandiu sua identidade de simples monstro de guerra para fera nociva e feroz do apocalipse. Bem esquisito pra ser sincero, mas uma inclusão digna.

9. Sargento D (Stormtroopers Of Death)

Enquanto várias bandas usam soldados mortos-vivos como mascotes (continue lendo), apenas um é um sarcástico e fumegante vindo direto do Full Metal Jacket (Nascido Para Matar). De várias maneiras, o Sargento D de S.O.D. representa os males da guerra e a posição desagradável e ignorante adotada pela banda. E, no entanto, embora ele seja gentil e direto, há algo de cativante no Sargento – ele não se sente tão elevado ou tão sério quanto outros mascotes, fazendo dele um personagem com o qual você pode tomar uma cerveja … mesmo que ele esteja pedindo para você se suicidar.

8. Chally (Overkill)

A força de Chaly é que você já o conhece. Um crânio de demônio com asas de morcego que todo metaleiro já rabiscou em algum momento, seja nas margens de um trabalho ou na parede de um prédio abandonado. Overkill pegou a ideia, tornando-a um verde radioativo e usando-a com uma crista característica ou uma assinatura como quiser entender. Depende apenas de como você vai gostar mais dele: como um monstro de masmorra, um experimento científico ou apenas um símbolo da indústria.

7. Knarrenheiz (Sodom)

Agora a brincadeira começou a esquentar! Knarrenheinz não é apenas o mascote de armas de fogo dos thrashers alemães Sodom, um símbolo da música militante da banda, mas também atua como um mascote de thrash para todos os fins. Ele tem todas as características do gênero – movido a energia nuclear, coberto de spikes, impulsionado pela guerra e pelo desprezo pela humanidade. Muito parecido com Eddie, Heinz passou por várias encarnações, mas eles sempre são orientados para a batalha; embora silencioso e observador nas capas de álbuns anteriores como o Agent Orange, ele logo se tornou uma máquina da morte.

6. Not Man (Anthrax)

A história do Not Man é, sob muitos aspectos, a história do Anthrax. O estereótipo pateta de bigode é baseado em um daqueles fantoches de borracha estranhos que você pode comprar em todas as farmácias ou lojas de artigos de papelaria de Nova York. Isso parece indicativo de toda a carreira desconexa de Anthrax nos bairros externos nos anos 80, bem como de seus bizarros sentidos de humor e nerdice inerente ao skate. Não é um mascote muito usado, mas é hilariantemente imortal.

5. Murray (DIO)

Apenas Ronnie James Dio poderia nomear um ser tão misterioso como “Murray“. O demônio Dio, um ser sobrenatural em algum lugar entre Satan e Set, é impressionante em parte porque não tenta ser nervoso como qualquer outro mascote de metal. Há uma insinuação nas capas de álbuns como Last In Line ou Dream Evil que Murray é um espírito antigo, não um errante interdimensional. Murray não bebe com mutantes em bares do futuro ou anda de moto com mulheres magras, ele observa o mundo noturno. A esse respeito, ele é mais descontraído e mais maligno do que a maioria das outras figuras nesta lista.

4. Ghost Of War (Slayer)

Enquanto o Baphogoat da estréia da turnê Slayer, Show No Mercy, se tornou um ícone dos últimos tempos, o verdadeiro mascote do Slayer é o Ghost Of War – um crânio demoníaco gritando usando um capacete da Segunda Guerra Mundial. Assustador, icônico e adaptável, o Ghost representa o coração da mensagem sombria e sangrenta de Slayer: que a humanidade e os horrores que criamos são o verdadeiro diabo neste mundo. Originalmente criado como um decalque mal feito para o fã clube da banda, o crânio gritando logo assumiu uma expressão mais assustadora e acabou se tornando o representante final do thrash metal do mal.

3. Vic Rattlehead (Megadeth)

No final das contas, não há nada mais terrível do que a ignorância. É isso que torna Vic Rattlehead de Megadeth tão poderoso – ele não é um cara legal. Por ter seus ouvidos, olhos e boca permanentemente presos, Vic não pode ver, ouvir e falar mal, tornando-o a personificação da morte por falta de conhecimento. Enquanto ele veste seu terno e interpreta político, Vic também está vendendo as Nações Unidas debaixo de nós e se encontrando com sociopatas bem vestidos sobre os cadáveres de alienígenas ocultos. Ele é um reflexo do que há de errado com o mundo, lembrando aos fãs que ver, ouvir e dizer nada leva ao desespero em escala global. Tudo isso faz dele uma poderosa representação do thrash, onde o metal parou de se concentrar nos magos e começou a reagiu ao mundo em geral.

2. Eddie (Iron Maiden)

O padrão ouro. Eddie, do Iron Maiden, é o mascote de metal mais verdadeiro de todos os tempos, e aquele contra o qual todos os outros mascotes de metal serão julgados. Ele transita pelo horror, sociedade, ficção científica, história antiga – cite um local ou aspecto da cultura, e você pode estar lá com um Eddie. Então, por que ele está apenas no número dois aqui? Por essa mesma razão: Eddie é incrível, mas ele está em todo lugar. Ele é o mascote de todos, abraçado por tudo, desde estádios a times de futebol. E embora isso não seja necessariamente uma coisa ruim, significa apenas que ele não tem essa qualidade esotérica de metal, aquela vibração subterrânea que representa não ser como todos os outros. Uma figura de metal imortal para o mundo inteiro, com certeza – mesmo que esse seja o problema.

1. Snaggletooth (Motörhead)

O rosto que estampou mil tatuagens. O que torna o Snaggletooth do Motörhead especialmente impressionante é que não é uma criatura que existe fora do mundo da banda. Não é um zumbi ou um demônio ou um animal, é um porco de guerra com presas que usa um capacete militar e tem os dentes perfurados. Seja você colocando o rosto em um corpo (como já fizeram com bonecos) ou usá-lo na frente do cortador de gramas, o Snaggletooth é um emblema monstruoso do rock n’ roll na sua forma mais perigosa. Exala um status de forasteiro agressivo porque é muito forte, espinhoso e agressivo para quem quer ironicamente usar uma camiseta de metal. Como a banda que representa, Snaggletooth é mais alto, mais mesquinho e mais legal do que o que o mundo em geral sente confortável, fazendo dele a representação definitiva do metal em geral.

Espero que tenham se divertido com essa lista. Alguns desses mascotes eu não conhecia, achei bem interessante. Caso você queira ver a publicação original é só clicar aqui.

Written by 

Matérias Relacionadas