Rock e a Igreja

 

Você já se perguntou sobre as origens do Rock? E se já, teve coragem de ir em busca da resposta? O Rock é uma evolução do Rock and Roll, um estilo derivado do blues, country, soul e… Gospel.

 

God save the queen,” o rock tem raízes em música de igreja! Mas a falta de ação das pessoas de nunca ir atrás dessa história nos leva a comentários ridículos e à banalização de um estilo musical que igualmente influencia o mercado gospel hoje. Se pararmos para analisar, muito do repertório de Aline Barros leva um pop rock, enquanto na maioria dos “hinos” podemos ver uma certa “influência” do soft rock. Isso sem contar bandas de Punk Cristão como Hawk Nelson e Metal Cristão (sim, isso existe) como Oficina G3.

 

Então por que causa, motivo, razão ou circunstância um estilo musical favorito é tão banalizado? Além do motivo citado acima, na década de 50, após o nascimento de uma “nova classe” chamada ADOLESCENTE (antes disso o termo não existia. Foi a partir dos anos 50 que os jovens começaram a ter sua própria moda, suas músicas etc).

 

O Rock and Roll estourou entre esse grupo por ser um estilo mais dançante, e,consequentemente, o número de bailes e festas aumentou, fazendo com que os pais – ao ver os filhos passando a noite se divertindo e dançando – condenassem o Rock como coisa do diabo, já que esse comportamento estaria “fora” do padrão que eles sempre seguiam.

 

“Apesar de termos feito tudo que fizemos, ainda somos os mesmos”… Isso basicamente define certas igrejas, que parecem ser comandadas pelo pastor interpretado por John Lithgow no filme Footloose. É um reaproveitamento de valores arcaicos, na esperança de alcançar um ou dois idiotas pensando que eles ainda servem. Nunca serviram.

 

O objetivo aqui, na verdade, é o de mostrar que o Rock sempre esteve presente na igreja. Na verdade, ele praticamente “saiu” da igreja. Por isso, não consigo entender a revolta de grupos religiosos. Quanto a isso, já me conformei e vocês deviam fazer o mesmo. Lembrem-se que eles não conseguem se entender entre si – O Pastor Sillas Malafaia, em entrevista a Marília Gabriela, alfinetou o Pastor da igreja Mundial, por exemplo, portanto não deviam ter o direito de causar revolta no prazer da gente.

 

Também peço que ao virem coisas assim, por mais que seja legal responder e tudo mais, ignorem. Não tem NADA que doa mais que ignorância, garanto. Principalmente em gente leiga que quer aparecer. Isso acontece também porque há uma propagação das ideias meio que indiretamente até da nossa parte. Nas palavras da Blur, “There’s no other way, all that you can do is watch them play”!

Deixar comentário(s)

comentários