Resenhas 

Selvagens à Procura de Lei

 

O maior elogio que posso fazer aos Selvagens à Procura de Lei é que poderiam estar entre as grandes formações dos anos 80. Uma banda com letras consistentes, arranjos que fogem ao óbvio e duas grandes vozes de Gabriel Aragão e Rafael Martins que se completam em vocais dos quatro integrantes. Gabriel e Rafael são virtuosos nas guitarras, mas nem por isso enchem o disco com elas. São usadas na medida certa em que as canções pedem e a dupla abre mão delas por violões e piano em várias faixas.

 

Natural de Fortaleza, a banda se projetou em seu Estado, ocupando todos os palcos, dos menores ao maior deles, o Ceará Music, antes de partir para conquistas ainda maiores – que incluíram uma indicação na categoria Aposta do VMB 2012 da MTV e uma apresentação no mesmo ano no Prêmio Multishow junto com o Capital Inicial. O produtor David Corcos “O Marrroquino” assumiu a produção da banda que resultou neste CD, lançado pela Universal Music.

 

Os Selvagens podem ser chamados de a primeira grande revelação do Rock Brasil nesta segunda década dos anos 00. Uma banda que honra uma qualidade conseguida nas décadas de 80 e 90 e que andou fazendo falta nos últimos tempos, se é que vocês me entendem. Já apontaram neles influências de The Strokes e Arctic Monkeys, bandas que tem um pé na sonoridade dos 60 e 70. Eles apontam um leque de influências que incluem os guitarristas John Frusciante, Jack White e Fernando Catatau, e a trindade nada santa de Lobão, Cazuza e Renato Russo, além de The Beatles.

 

A letra de “Brasileiro” tem um verso que é, ao mesmo tempo, uma crítica ao mainstream atual e uma profissão de fé da banda: “Música não pra cabeça, mas feita pro pé”. Na mesma canção um verso que ecoa “Ideologia”, a música manifesto de Cazuza: “Nossos heróis de verdade morreram por covardia”. Em “Juventude solitude”, a grande indagação que persegue jovens desde sempre: “Será que você vai se tornar o que esperam de você?”. E mais adiante: “O que você vai escolher agora, sem ninguém pra lhe dizer o que fazer a cada hora?”. E proclamam “Crescer dói, mas essa é a história de todos os heróis”. Já “Mucambo cafundó” ecoa: “Eu fico louco em saber que o futuro é um precipício”. Muitas questões colocadas como costumava ser nos anos 80, quando a geração do rock discutia alternativas, fazia propostas e alimentava a geração jovem que emergia dos anos de ditadura. Os temas românticos não ficam de fora e são tratados sem pieguices. “Despedida” proclama: “Mostrando a realidade de nossa dupla solidão, eu me entrego a você como uma cidade derruba muros”. “Música de amor número um” indaga: “Quais sentimentos não se pode apagar? Em quem você vai confiar? Vamos fazer memórias juntos na corrente de um rio?”. E uma outra se define no próprio título: “O amor existe, mas não querem que você acredite”.

 

 

As embalagens musicais destas canções, feitas em maioria por Gabriel Aragão, algumas por Rafael Martins e outras pela dupla, são bem variadas. “Massarrara”, por exemplo, explode de cara com duas guitarras, uma em cada canal do estéreo, com uma levada roquenrol cantada a duas vozes por Rafael e Gabriel, com o baixista Caio Evangelista e o baterista Nicholas Magalhães se juntando a eles nos vocais.

 

Juventude solitude” alterna momentos mais suaves com outros mais pesados com uma pontuação de guitarra a La The Edge em alguns momentos, com alternâncias vocais entre os dois vocalistas principais. Para a radiografia de “Brasileiro”, um povo cujo ano só começa quando passa fevereiro, a levada rock e vocal rap é pontuada por guitarras pesadas com maior ou menor ênfase em cada estrofe e explosão no refrão.

 

Música de amor número um” tem uma levada acústica de coloração country folk brasileiro, tipo e Guarabyra, neste apelo do cantor para encontrar uma certa Claudia. “Despedida” é uma balada em midtempo com duas guitarras em levadas distintas, uma em cada canal, com bom reforço vocal de Nicholas junto com Rafael e Gabriel. Na coda, o andamento muda para um encerramento na base de ná ná nás, pontuado por um bom solo no canal direito.

 


 

Sr. Coronel” me remeteu à fase solo de John Lennon, deve ser viagem minha, talvez pelo estilo do piano que segura a levada, se bem que não nas frases de guitarra que pontuam a segunda parte. Belo trabalho de entrosamento vocal de Gabriel e Rafael. “Carrossel em câmera lenta” tem um excelente trabalho de guitarras, mais comedidas em algumas partes, mais pesadas em outras, com timbres alternados e solos bem sujos no final.

 

Mar fechado” usa o recurso clássico de um começo lento quase a capella, só com leves frases de guitarra para ganhar peso e explodir no final com uma levada que me lembrou “She´s so heavy”, dos Beatles, mas com um solo veemente e inspirado de guitarra. Em “Enquanto eu passar na sua rua”, Rafael e Gabriel duelam cantando estrofes diferentes ao mesmo tempo, uma canção de amor pontuada por guitarras em timbres diferentes e batida rock em midtempo.

 

Crescer dói” tem arranjo dominado pelo piano de Gabriel, que faz o vocal, com participação discreta de guitarra, baixo e bateria, uma levada econômica e altamente eficaz de curta duração. “Mucambo cafundó” evoca a cidade natal dos Selvagens à Procura de Lei, Fortaleza, para falar de uma crise existencial num eterno país do futuro com uma levada vigorosa com guitarras pesadas. “O amor existe, mas não querem que você acredite” é uma balada com levada de piano com um belo vocal de Gabriel e pontuações de guitarra. Essa me evocou a fase solo de Paul McCartney.

 

Selvagens à Procura de Lei é uma banda que soma ao que existe de melhor no rock brasileiro.

 

 

 

Curte o Facebook da banda clicando aqui. Segue as atualizações da banda no Twitter e em seu Site.

 

Written by 

Matérias Relacionadas