Bandas Entrevistas Notícias 

Teorias do Amor Moderno apresenta nova música em coletiva

A banda Teorias do Amor Moderno apresentou o novo single “Depois do Sol” em uma coletiva intimista no Estúdio Costella na última quarta-feira (27/11). O grupo que existe desde 2007, se tornou um Power trio há dois anos, quando o guitarrista saiu e decidiram que a vocalista Larissa começaria a tocar guitarra, além de cantar; a banda se completa com Will no baixo e backing vocal e Maurício na bateria. O single que parece falar sobre relacionamentos, na verdade fala sobre a perda de pessoas muito queridas e próximas.

Eu passei por isso recentemente na minha família com a perda da minha sogra e foi um luto duradouro. Eu me coloquei no lugar da minha esposa, e se fosse comigo, se eu tivesse perdido alguém tão próximo? A pessoa mais próxima para mim atualmente é minha esposa, então se eu perdesse a Vanessa hoje, como seria?” – Relata Larissa. O baixista Maurício logo no início da banda, também perdeu a namorada, o Will perdeu recentemente sua mãe, então Larissa explica que foi uma junção de empatia, de tentar se colocar no lugar da pessoa. “Sabe aquele lance de querermos ter mais um dia com alguém? Aquela sensação de quando você sonha com a pessoa e você quer voltar a dormir pra sonhar com ela de novo, mas você não consegue voltar naquele sonho? Essa música é basicamente sobre isso, sobre luto”.

Foto: Erick Tedesco

Nessa música a banda diz que quer passar a mensagem para as pessoas aproveitarem enquanto seus entes queridos ainda estão aqui. Aproveitar o sentimento que você vive hoje com as pessoas e não deixar pra amanhã o que você pode fazer hoje.

Esse ano a Teorias do Amor Moderno fez muitos shows, foi o primeiro ano ativo de power trio. A banda abriu shows de bandas como Maglore, Vespas Mandarinas, Plutão Já Foi Planeta, Violet Soda e Garage Fuzz. Segundo o baterista foram experiências muito boas. Eles também tocaram muito na rua, especialmente na Paulista e dizem que foi uma das melhores experiências que tiveram. “Bar para som autoral é difícil, ainda mais no ABC que é onde a gente mora. Fecharam muito bares, tem poucas opções pra som autoral. Então decidimos tocar na rua, compramos um gerador e vamos lá uma vez por mês.” – explica Larissa.

Foto: Erick Tedesco

O grupo diz que muitos fãs da banda acabaram conhecendo o som dessa forma. Relatam que o público da Paulista gosta de conhecer bandas novas, que às vezes ficam entre 40 a 50 minutos embaixo de sol ouvindo as bandas tocarem, mesmo não conhecendo o som. Sem contar o número de crianças, que falam ser enorme. “Na Paulista você encontra gente do Brasil todo, já teve gente de Manaus vindo falar com a gente, aí teve outro de Fortaleza, Rio de Janeiro. Dá certo trabalho, porque temos que levar tudo, mas vale muito a pena. A galera consome o merchandising, e tem vez que o retorno é melhor do que tocando em bar. Ano que vem com certeza continuaremos na Paulista” – completa Maurício.

A banda diz ter conhecido o Estúdio Costella e principalmente o Gabriel Zander por acaso, o produtor de Petrópolis que gravou o último EP da banda, foi o intermediário entre eles há dois meses. Eles gostaram do trabalho e acabaram parando lá.

Larissa diz que é difícil falar de amor em 2019, ainda mais no caso dela, que quando fala de amor é um amor homossexual. “O nome da banda surgiu por puro sarcasmo, um dia um cara veio me falar: “Você é lésbica né? Tá na moda isso aí.” A gente prevalece mesmo assim. Nossa verdade independe do que ta rolando lá fora.” Finalizando, quando perguntado como foi falar de perda para uma banda que sempre fala de amor, Larissa responde prontamente: “A perda só é triste porque tem amor envolvido”.

Foto: Erick Tedesco

A nova música estará disponível para o público no começo de 2020, então fique ligado nas redes sociais da banda para não perder o lançamento, porque eu te garanto que vale muito a pena!

Written by 

Matérias Relacionadas