Resenhas Shows 

Um monstro chamado Metallica

É quase que impossível tirar da cabeça uma noite que foi memorável para a celebração do thrash metal no Brasil. 65 mil pessoas tiveram o privilégio de acompanhar uma performance monstruosa de uma das maiores bandas do planeta, o Metallica, ou posso chamar de “O Monstro Metallica“. Já são mais de 30 anos de carreira e essa foi a sétima apresentação da banda em terras brasileiras mas com um diferencial enorme, o setlist do show foi totalmente escolhido pelo fãs. No último dia 22 de Março, o estádio do Morumbi, em São Paulo estremeceu com grandes clássicos e música nova, e a abertura do show ficou por conta da banda britânica Raven.

Depois do breve aquecimento com o Raven começaram as expectativas em relação a que horas o Metallica subiria ao palco. Palco esse que por sinal fazia jus ao tamanho do grupo, GIGANTESCO! Com todos os preparativos ajustados, só restou esperar. Tudo escuro, até que um vídeo mostrando os integrantes do Metallica inicia no telão, nas imagens eles estão averiguando quais os pedidos do fãs para essa turnê. E “Metallica By Request” foi do começo ao fim direcionada pelos fãs.

A canção clássica “The Ecstasy Of Gold” de Enio Morricone introduziu a abertura da apresentação e a entrada do integrantes ao palco. Ao fim da música, “Battery” se inicia como uma grande explosão de raiva, como se o Metallica estivesse dizendo: Chegamos! E para não perder o ritmo foi dado outro petardo musical chamado “Master Of Puppets” para que não houvesse tempo para o público respirar. “Welcome Home (Sanitarium)” extasiou todos que são fãs das músicas mais lentas do Metallica.

Nem a chuva que caiu durante a performance atrapalhou a interação entre banda e público, o que foi provado quando “Fuel” começou a tocar. No meio de tantos clássicos, o Metallica executou “Lords Of Summer” nova canção que foi estabelecida como presente para os fãs que saudaram essa turnê da banda na América Latina. Só que bastava os seguidores do grupo terem escolhido o setlist do show, eles também precisavam participar da performance, pois haviam dois grupos do fã clube oficial do Metallica acompanhado a apresentação do lado do palco. Foi o que aconteceu em “Sad But True“, onde um fã teve a honra de conversar com o vocalista e guitarrista, James Hetfield, antes de chamar a canção para ser executada. E isso aconteceu por mais duas músicas na apresentação.

Fato que cativou os olhos foi a iluminação que tinha variações sincronizadas com as músicas. O que deixou todos maravilhados quando a canção “One” teve sua virada, as luzes piscavam conforme as metralhadas que Lars Ulrich dava em sua bateria. O guitarrista, Kirk Hammet, dispensa comentários e fez solo da música soar de forma muito mais encantadora do que na versão original. E segurando tudo isso estava Robert Trujillo empunhando seu baixo, sabendo exatamente o que fazer para que o grupo seguisse harmonizado.

Metallica By Request traduzido ao pé da letra quer dizer  Metallica por pedido e foi isso que aconteceu durante toda a performance. Além das 17 que já haviam sido escolhidas, mais três estavam em votação no decorrer do show, as votações aconteciam por meio de mensagem de celular. Disputavam “Ride The Lightning“, “The Day That Never Comes” e “The Memory Remains“; a mais votada seria executada na hora pelo grupo. E a grande vencedora foi “The Day That Never Comes” mostrando que as novas canções do Metallica agradaram os fãs.

Foram 18 músicas no total, sendo 17 escolhidas pelo público que foi ao estádio do Morumbi. Para fechar a  apresentação do Metallica foi executada “Seek & Destroy” com a famosa chuva de balões pretos com o logotipo da banda. Se existe alguma definição cabível para a performance do Metallica no último dia 22 de Março, essa definição é: MONSTRUOSA!

Fotos: MRossi

Editor: Josimar Frazão

Editor Chefe: Will Batera

Written by 

Matérias Relacionadas