VMA, Miley Cyrus e música nova dos Gametas!

 

” Hello, Cat People, eu sou a Soninha Pussycat e estarei por aqui de vez em quando para dar alguns toques em vocês, se é que me entendem… Vocês viram no VMA (essa premiaçãozinha cafona que a moribunda MTV insiste em promover todo ano e cuja maioria das apresentações é de cantoras de reputação duvidosa como Lady Gaga, Katy Perry e Justin Timberlake) aquela menina simulando masturbação no palco de calcinha com um dedo gigante? Isso tudo porque até pouco tempo atrás ela era ícone infantil na TV. Considero isso mais chocante do que a declaração da Sandy de que curtia um anal há uns tempos atrás. Bem, se a música brasileira vai mal, eu acho que a americana não fica atrás…

 

 
Mas, enquanto houver um garoto com ideias transgressoras na cabeça empunhando sua guitarra, haverá Rock! Oh wait, eles já não são assim tão garotos, mas isso não importa… Quero dar destaque hoje ao lançamento do novo single de uma banda que tem passado batida no cenário do rock brasileiro atual (se é que ele existe), os GAMETAS.

 

Formada inicialmente em 2000 e remontada em 2008, eles já lançaram dois CDs desde então: Gametas (2010) e Supersônico (2012), ambos gravados no estúdio de Fábio Brasil (Detonautas), o Mobilia Space, com produção do próprio, sendo o primeiro co-produzido por Roberto Lly (Herva Doce) e o segundo por Lisciel Franco.

 

 

Enquanto aguardamos o lançamento do novo CD, prometido para o ano que vem, a Gangue Degenerada (um dos muitos apelidos que eles mesmos se dão) nos brinda com o lançamento de uma nova música, a qual tive acesso exclusivo. Ela soa um tanto mais trabalhada no arranjo do que as anteriores. Estive conversando com os meninos e soube que o lindo do Iuri Escabroso está contribuindo mais nos arranjos agora que cresceu. Sim, porque quando ele entrou para a banda em 2008 tinha apenas 16 aninhos. Ah, esse menino lá em casa… Eu ia cuidar direitinho dele.

 

Mas quanto ao som, parece heavy metal tradicional. Eu logo notei as semelhanças com Iron Maiden, Judas Priest e outras bandas que conheço bem, pois as ouvia bastante nas minhas farras juvenis regadas a vinho barato e muito calor humano. Não, eu não era uma boa garota na juventude, se é o que estão se perguntando agora. Não que o vocal de Sir Paradise Von Drakulelvis se assemelhe ao de Bruce Dickinson ou Rob Halford, nada disso. O que eles fazem aqui é uma coisa tipicamente nacional. A letra segue a linha dos personagens já tradicionais nas músicas da banda (Cida Suicida, Beth Cemitério, Menino Lobisomen, etc…) e dessa vez trata de um peão de rodeio ruim igual uma peste. O filho do demônio.

 

Você confere a música no link abaixo…

 

Deixar comentário(s)

comentários