Notícias 

Lemmy Kilmister: histórias contadas por amigos e artistas

Muito do que fez do Motörhead uma força musical atemporal foi a personalidade única de seu líder, Lemmy Kilmister. No mundo do rock e do metal, Lemmy era um avatar para todas as coisas fora da lei, uma força vestida de couro que bebe muito, que fuma muito, que quebra as regras, e que usa um caos sônico, cujos rápidos hinos falaram com interior de todos nós. Ainda mais importante porém, foram a honestidade brutal, a sabedoria sagaz e o coração grande (embora insensível), que deixaram todos que ele conheceu com a sensação de que haviam acabado de encontrar um deus antigo em seu dia de folga. Todo mundo que conheceu Lemmy tem uma história sobre isso, mesmo que seja tão simples quanto ter estado na presença dele.

Com esse ano sendo o quarto aniversário de sua morte, decidimos pedir que estrelas do rock e metal recontassem suas próprias histórias de Lemmy. Inicialmente, perguntamos a eles onde estavam e o que sentiram quando souberam que Lemmy havia falecido – mas quanto mais conversávamos com as pessoas, mais descobríamos que elas queriam celebrar sua vida, não sua morte. O que, parafraseando nosso próprio escritor Morat, é realmente o que Lemmy gostaria.

Aqui estão algumas das maiores personalidades do rock e metal que compartilharam suas histórias sobre este grande homem. Live to Win.

FRANK BELLO (ANTHRAX)

Frank Bello e Lemmy Kilmister tocando juntos em turnê européia conjunta do Motörhead e Anthrax em 2005. Crédito: Andy Buchanan

“Eu era um grande fã do Motörhead e do Lemmy. O Anthrax fez muitas turnês com eles ao longo dos anos e, na passagem de som, eu gostava de ficar ao lado do palco, logo atrás do mixer do monitor, apenas assistindo o que Lemmy fazia, encarando-o como uma criança. Eu era apenas um fã e queria aprender.”

“Um dia, eu estava no palco durante a passagem de som e, no final, Lemmy olha para mim e diz: “Vem aqui”. Fui até ele e ele tirou o baixo, colocou em mim e disse: “Vá em frente.” Eu não sabia disso na época, mas ele tinha aumentado o volume, muito alto (eu não sabia o quão alto ele tocava no palco). Quando toquei a primeira nota, a força do poder e do ar literalmente me jogaram pra trás e eu quase cai de bunda! Lemmy começou a rir – ele havia armado pra mim. E eu amei cada segundo disso.”

“Acabamos saindo, conversando sobre baixo, crescendo, rock’roll, coisas assim. Ele era um homem bom, e parecia que ele vivia todos os dias do jeito que ele queria. Ele era LEMMY. Eu tive a sorte de estar com ele em tantas turnês que o Anthrax e Motörhead fizeram juntos, e ele sabia que eu era um grande fã.”

“Um dia, na passagem de som deles, ele estava trabalhando. Ele olhou para mim – em pé atrás do mixer, como sempre – e acenou para que eu fosse até ele. Em cima do monitor, havia uma linha de palhetas do ‘Lemmy‘. Ele apontou para elas, enfiou a mão no bolso e pegou uma palheta diferente e disse:”ESSA é a palheta com que eu toco“. E então ele me deu. Eu ainda tenho essa palheta. Lemmy era verdadeiro, e sempre será.”

EICCA TOPPINEN (APOCALYPTICA)

Crédito: Tuomas Vitikainen

“Lembro-me do dia como se fosse ontem, quando eu encontrei o Lemmy pela primeira vez. Motörhead e Apocalyptica estavam fazendo um show duplo na Lituânia no final dos anos 90. Conhecer Lemmy era algo importante para homens jovens como nós. Ele nos tratou com muito respeito e fizemos muitos shows juntos depois disso. Lemmy tem sido e sempre será um dos influenciadores mais importantes para mim e para o rock em geral, em todos os seus significados.”

“Foi uma notícia super triste quando soube que ele havia falecido. Ele havia tocado apenas alguns dias antes na minha cidade natal, Helsinque, então foi inesperado, apesar do estilo de vida dele. Mas, como todos os grandes artistas, sua influência e espírito permanecem, não importa se eles estão mortos ou vivos. Portanto, não é preciso ficar muito triste quando alguém vive sua vida do jeito que ele queria. E Lemmy viveu sua vida em seu próprio estilo, ao máximo.”

ATHENAR (MIDNIGHT)

Crédito: Hanna Verbeuren

“Em 2015, meu pai morreu em agosto e isso abriu meus olhos para a mortalidade. Eu tinha 40 anos e isso me fez pensar: “Puta merda, não tenho mais 20 anos”. Então ele morreu, então Philthy [Phil Taylor] morreu – então Lemmy morre. Isso me fez pensar mais.”

“Estas são as pessoas – meu pai e Lemmy – que me colocaram nesse caminho que estou agora. Isso faz você pensar, somos plantas. Nós vamos morrer, vamos adubar o solo, vamos ajudar as coisas a crescerm. Nós somos importantes, mas não realmente importantes. Você tem pessoas que o colocam no caminho certo da vida, que influenciam você a fazer o que quer fazer … mas no final, você também morrerá.”

“Quando Lemmy morreu, não foi tipo, “Aw cara, um shot por Lem!” Eu não dou a mínima. Com Lemmy, com meu pai, eles me ensinaram desde cedo a saber a diferença entre certo e errado e ser honesto. Sua genuinidade, sua honestidade, é algo que eu mais respeito nas pessoas. “

“METAL” MARIA FERRERO (HEAD OF ADRENALINE PR, FOUNDING PUBLICIST AT MEGAFORCE RECORDS)

“Era o aniversário de 21 anos de James Hetfield. O Metallica estava em turnê com Raven e Motörhead. Dirigimos horas de Old Bridge, New Jersey, para Syracuse para o show. Estávamos nos bastidores tirando selfies com Lem e, quando nosso amigo James tirou a foto, Lemmy agarrou meu peito e o da minha amiga. Tínhamos 17 anos e ficamos em choque.”

“Avançando para a festa de 70 anos de Lemmy (a semana em que ele faleceu), e eu revelei a foto e a transformei em um cartão de aniversário e entreguei a Lemmy. Ele me deu uma piscadela.”

JON DAVIS (CONAN)

Crédito: Cervanté Pope

“Quando Lemmy morreu, pareceu um pouco quando Kurt Cobain morreu, mas com um senso adicional de aceitação. Lemmy havia vivido uma vida digna de 200 pessoas “normais”, e o que ele alcançou através de sua música foi extraordinário, por isso foi uma espécie de sentimento agridoce. Estou estripado porque o perdemos, mas acho que Lemmy estava pronto para ir. Ele me inspirou quando ouvi o Motörhead pela primeira vez e acho que a indústria da música ainda sente falta dele agora.

“Descanse em paz Lemmy“.

ALAN ROBERT (LIFE OF AGONY)

“No Ozzfest de 1998, foi ótimo sempre ver o Lemmy logo pela manhã. Nosso ônibus estacionava ao lado do Motörhead todos os dias e, geralmente encontrávamos Lemmy tomando banho de sol na frente dos ônibus, vestindo nada além de uma sunga verde e botas. Sempre super amigável e pé no chão. Ele era um ato de classe total.”

BEEFCAKE THE MIGHTY (GWAR)

Crédito: Rory Higginson

Lemmy é meu herói, meu John Wayne. Eu tive a sorte de encontrá-lo várias vezes, e mesmo estando sempre espreitando como um fanboy, nunca tirei uma foto com ele. Um dos meus maiores arrependimentos na vida. A primeira vez que o vi, um grupo de nós estava pendurado na porta dos fundos do Bronco Bowl, em Dallas, esperando para encontrá-lo. Ele saiu com uma garrafa cheia de Jack Daniels debaixo do braço, assinou coisas e conversou com todos nós. Ele notou um botão na jaqueta do meu baterista que dizia: “Chegue perto de mim e eu mato você“, e ele disse: “Eu preciso disso!” Harden, meu baterista, disse que trocaria por uma palheta. Lemmy verificou seus bolsos, mas não tinha palheta, então ele nos deu a garrafa de Jack!”

“Mas minha melhor história de Lemmy é a época em que meu amigo Tom Rainone o levou a um show da GWAR em LA. Nos bastidores após o show, havia uma multidão de pessoas da gravadora e os típicos frequentadores de Los Angeles. Lemmy estava compreensivelmente se sentindo claustrofóbico e estava pronto para ir embora, então sugeri que fôssemos para o ônibus e tomássemos uma bebida. Lemmy, Tom e eu sentamos nos fundos, ficamos tacando coisas e bebendo Newcastles. Lemmy disse o quanto ele se divertiu no meu show. No meu show! Absolutamente ainda um dos melhores momentos da minha vida!”

Lemmy foi o mais legal. Eles nunca farão outro como ele.”

BLÖTHAR THE BERSERKER (GWAR)

“Eu estava na estrada com a GWAR. Eu li sobre a morte de Lemmy online. Tínhamos tocado com o Motörhead em um festival no Canadá há apenas um mês. Lembro-me de assistir os shows dele e apontá-los para o nosso guitarrista: Veja, ele usa creepers (um tipo de sapato). Ele era um rock and roll, um Teddy Boy (subcultura britânica de 1950 a 1970). Ele era o rei do metal, mas um rock and roll antiquado até o fim.”

“Outra história é a seguinte: aprendi um pouco de humildade com Lemmy quando eu era jovem. Tínhamos acabado de tocar no New Music Seminar em Nova York no final dos anos 80. Lemmy estava em um painel sobre censura, e me levantei para fazer uma pergunta e me anunciei como integrante da GWAR. Eu tinha mais ou menos 18 anos. Eu falei sobre a banda ter enfrentado censura quando tocamos, e Lemmy rapidamente apontou para mim, com alguma irritação, e disse que não era apenas minha banda, era um problema universal. Eu me senti castigado, mas depois conversei com ele enquanto ele jogava pinball no King Tut’s Wah Wah Hut, no Lower East Side. Ele disse que sabia sobre a GWAR, “Os selvagens”, disse ele.

“Eu sempre penso nisso como uma lição, diretamente desse cara lendário: olhar para fora de mim. É sobre todos nós. Não seja um idiota egocêntrico. Isso realmente me impactou.”

MORAT (AUTHOR AND JOURNALIST)

“Eu tive muita sorte em ter sido amigo do Lemmy por mais de 30 anos, é difícil escolher apenas uma lembrança de muitas, especialmente quando muitas delas envolvem bebida e ficam levemente confusas. Havia muitas noites loucas e muitos dias passados ​​no apartamento dele. Então, eu vou voltar na noite em que ele apareceu na minha festa de 40 anos em um bairro modesto de Los Angeles.”

“Havia uma cerimônia de premiação chique em Hollywood naquela noite, mas isso dizia muito sobre quem era o Lem, porque ele optou por ir a uma festa em casa. O olhar no rosto da garota que atendeu a porta não tinha preço, e havia uma fila de pessoas querendo ir à loja de bebidas e comprar uma garrafa de Jack para Lemmy, já que estava acabando. Lemmy ficava a noite toda como uma pessoa comum, porque, apesar de ser uma lenda, era isso que ele tinha no coração, uma pessoa comum. Embora isso não impedisse as pessoas de constantemente falarem: “Cara! Lemmy está na cozinha!”

“É verdade que houve noites mais loucas, histórias mais loucas, mas significa muito o fato de ele perder uma cerimônia de premiação para ir ao meu aniversário. Sinto falta dele todos os dias.”

Matéria original.

Avatar

Written by 

Matérias Relacionadas